Acidente de ônibus deixa 27 feridos em Salvador; grávida está entre vítimas

onibus1

Vídeos divulgados nesta sexta-feira (14) por testemunhas do grave acidente de ônibus que deixou 27 feridos, em Salvador, mostram o desespero das vítimas e de pessoas que tentavam prestar socorro logo após a queda do coletivo.

O acidente ocorreu na noite da quinta-feira (13). O coletivo, que fazia a linha Pituba – Mata Escura, caiu de um barranco com cerca de 10 metros de altura, ao lado de um shopping da capital baiana, logo após pegar passageiros em um ponto de ônibus no local.

Das 27 vítimas registradas, 18 foram levadas para hospitais de Salvador pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Entre elas, dois homens que tiveram um braço amputado cada: um de 54 anos, que sofreu a amputação no acidente, e outro de 48 anos, que passou pelo procedimento nesta sexta-feira, após cirurgia.

onibus3

Nas imagens registradas por testemunhas, é possível ver que muitas pessoas conseguiram sair a pé do coletivo, com a ajuda de outras vítimas e testemunhas. Outras aparecem sendo aparadas, com dificuldades para andar.

Pessoas seguram o ônibus, que balançava antes da chegada dos bombeiros militares, que escoraram o coletivo com uma viatura. No vídeo, também é possível ouvir gritos e choros das vítimas ainda em choque.

Ainda não há detalhes do que provocou o acidente. O caso foi registrado no posto da Polícia Civil no Hospital Geral do Estado (HGE), para onde parte das vítimas foi levada. A ocorrência será encaminhada para a 11ª Delegacia, no bairro de Tancredo Neves.

Laudos periciais sobre o acidente serão produzidos pelo DPT. Eles levam, em média, 30 dias para ficarem prontos. O ônibus envolvido no acidente foi encaminhado para o pátio da empresa.

Das 18 vítimas socorridas pelo Samu, 5 foram levadas para o Hospital Santa Isabel, 1 para o Hospital Jorge Valente, 5 para o Hospital Geral do Estado (HGE), 2 para o Hospital Municipal de Salvador e 5 para o Hospital Ernesto Simões.

Entre as vítimas socorrida pelo Samu, está uma mulher grávida de oito meses. Ela foi transferida para a maternidade Tsylla Balbino, na Baixa de Quintas. A mulher e o bebê passam bem e seguem em observação.

“Ela ficou aqui [no HGE], passou por avaliação e ficamos sabendo que está bem. Ela foi transferida para a maternidade para acompanhamento da gravidez e tem estado de saúde estável”, explicou Ivan Paiva, coordenador de emergência do Samu.

Além das 18 pessoas socorridas pelo Samu, 1 recebeu atendimento da Vitalmed, 2 na ambulância da ViaBahia e 6 dos bombeiros.

Além das 5 pessoas levadas para o HGE pelo Samu, outras 6 foram levadas para o mesmo hospital, mas não há detalhes em quais ambulâncias elas foram conduzidas. Das 11, 1 criança de dois anos e a mãe dela, de 24 anos. As demais vítimas têm idades entre 25 e 64 anos, incluindo o homem de 48 anos que teve o braço amputado.

Permanecem na unidade, a criança, o homem de 48 anos e outras 3 vítimas. As outras 6 foram atendidas e receberam alta, assim como vítimas internadas nas outras unidades.

O motorista e o cobrador do ônibus, além de uma passageiras, foram levados para o Hospital HapVida, mais conhecido como Teresa de Lisieux, na Avenida ACM. Conforme a unidade de saúde, os três tiveram lesões leves. A mulher já teve alta. Os familiares dos rodoviários não autorizam o hospital a passar informações sobre eles.

Além do Corpo de Bombeiros, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) integrou a equipe de salvamento. Treze ambulâncias do Samu foram encaminhadas ao local do acidente. Vinte bombeiros participaram da ação.

Segundo o major Diego Ramon, do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, o momento mais tenso do salvamento foi durante a retirada de um homem de 54 anos que teve o braço amputado no acidente. Seis bombeiros, incluindo o major, precisaram ficar dentro do ônibus para salvar o homem. A vítima ficou consciente durante o tempo todo do socorro.

“Tivemos que retirar ele [o homem] pelo teto do ônibus. Apesar do ferimento, ele ficou consciente. Ele viu que a gente estava lá trabalhando para a retirada dele. Retiramos todas as vítimas e depois ficamos nele”, contou.

De acordo com Ivan Paiva, coordenador de urgência e de emergência do Samu, o homem foi levado por uma ambulância do serviço para o Hospital Geral do Estado (HGE) e tem estado de saúde estável.

O major Ramon Diego, relatou também que se ouviam estalos na estrutura do coletivo durante o atendimento no local, e que havia o risco de um novo tombamento.

“Avaliando o risco desse ônibus ser projetado para a via, a única forma segura de estabilizar aquela carga foi colocar a viatura no fundo [do ônibus], porque o manejo para remover as vítimas que estavam embaixo dos escombros e as vítimas que estavam em ordem final de saída, começou a oscilar o peso e a estrutura [do ônibus] começou a correr, em virtude até dos fluidos que estão na pista. Então, a gente utilizou a própria viatura para fazer o anteparo para esse veículo não tombar pra via”, explicou o major Ramon Diego.

“O ônibus caiu em uma parte escorregadia e inclinada. Entramos no coletivo para retirar as vítimas e quando estávamos lá dentro, a gente ouvia os estalos. A gente tinha que correr para que o ônibus não tivesse um novo tombamento. Nossa preocupação era ele virar com as vítimas e a equipe lá dentro, mas conseguimos retirar todos com vida”, completou o major.
onibus2