Auxílio emergencial inicia novo calendário a partir de terça-feira; veja quem recebe





 

Na quinta-feira (25), o governo divulgou em uma edição extra do Diário Oficial da União, o calendário de pagamento da terceira parcela do auxílio emergencial para os primeiros beneficiários.

Desde sábado (27), até o dia 24 de julho será depositado o dinheiro nas contas poupança social digital para o pagamento de contas, boletos e compras por meio do cartão de débito.

As transferências para outras contas e saques só poderão ser realizados a partir de 18 de julho e seguirão até 19 de setembro. Veja o calendário:




Segunda parcela do segundo lote

O Dataprev está aprovando os cadastros por meio de lotes. Neste mesmo dia também foi divulgado o calendário de pagamento da segunda parcela para os aprovados do segundo lote, que receberam a primeira parcela entre os dias 16 e 29 de maio.

Essa parcela será paga até o dia 4 de julho e as transferências e saques serão nos mesmo período que o terceiro lote. Veja o calendário:

Como sacar o auxílio emergencial?

O pagamento vai funcionar como tem sido organizado pela Caixa Econômica, inicialmente o crédito caí na conta poupança digital da Caixa, gerenciada pelo aplicativo Caixa TEM.

O saque do dinheiro pode ser realizado apenas quando for liberado no segundo calendário. A mesma data vale para transferência.




Cartão de Débito Virtual

A Caixa informou que é possível utilizar o auxílio por meio do cartão de débito virtual. Com ele o usuário destina os R$600 para realizar compras na internet em mais de mil sites e aplicativos, além de poder pagar contas de água e luz.

Por agora, o cartão só está disponível para os beneficiários do Auxílio Emergencial e do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm).

Para solicitar o cartão é preciso ter o aplicativo da Caixa tem. Após acessar, na tela inicial terá um ícone denominado “Cartão de Débito Virtual” e clicar, após isso, vai abrir uma página como se fosse uma troca de mensagem.

É só clicar na opção “Usar agora meu Cartão de Débito Virtual”. O aplicativo vai solicitar a senha de acesso que você cadastrou para entrar no aplicativo.

Ao informar a senha, aparecerá uma imagem com as informações do seu cartão, como número, nome, validade e código de segurança. Basta digitar corretamente conforme orientação da loja.




Solicitação

Aqueles que ainda não se inscreveram para receber o auxílio, devem ficar atentos já que o prazo final vai até o dia 2 de julho. A solicitação pode ser realizada pelo site da caixa: auxilio.caixa.gov.br ou pelo aplicativo Caixa – Auxílio Emergencial.

O cadastro pode ser feito pelo site da Caixa ou pelo aplicativo. Confira como fazer o cadastro:

Ao acessar o site você irá clicar em realizar solicitação, após isso será direcionado para uma página com os requisitos de quem pode solicitar.

Na próxima página, o trabalhador informal deve preencher dados como nome completo, CPF e data de nascimento. Confirmar que não é um robô e avançar.

Em seguida, é necessário preencher o número do celular para receber um código de verificação por SMS, que ao chegar deve ser colocado no campo “código recebido”.

É preciso que o trabalhador informe a renda, o ramo de atividade (as opções são Agricultura e Pecuária, Extrativismo/Pesca, Comércio, Produção de Mercadorias, Prestação de serviços, Trabalho Doméstico, Outros), estado e cidade.

Logo em seguida os dados dos integrantes da família que moram com ele devem ser colocados.

Na próxima página, o trabalhador escolhe se quer receber em conta já existente ou criar uma poupança digital.

Após informar a opção, trabalhador deve fornecer seu documento (RG ou CNH.

Depois aparece um resumo dos dados informados e por último a página informando que seu pedido está em análise.

Prorrogação do pagamento do auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da economia, Paulo Guedes, anunciaram a prorrogação do benefício. O primeiro pagamento será de R$500, o segundo de R$400 e o terceiro de R$300, o que vai totalizar um pagamento de R$1.200 a mais para os brasileiros.

O programa estava previsto para durar mais três meses, com três parcelas de R$600. Mas por conta da pandemia causada pelo coronavírus ter se agravado, fez com que o governo planejasse essa extensão de pagamentos.

De acordo com um interlocutor do ministro da Economia, a extensão teria um custo de aproximadamente R$ 100 bilhões, pois cada pagamento de R$ 600 custa aos cofres públicos R$ 51 bilhões. 

Essa prorrogação do auxílio emergencial com esses novos valores depende de uma aprovação no Congresso.