Utinga decreta suspensão das feiras-livres e novas restrições no comércio





O decreto municipal (nº 38), emitido nesta sexta-feira (31) pelo prefeito de Utinga, na Chapada Diamantina, Joyuson Vieira, determina novas medidas das atividades comerciais e de prestação de serviços imediatamente. Isso se deve ao fato de o município ter dobrado e quadruplicado o número de casos positivos para covid-19 em relação a última e penúltima semanas, respectivamente. Esse decreto também considera o fato de as principais unidades de referência serem distantes, sendo Feira de Santana e Salvador, como também a probabilidade crescente de colapso na unidade de saúde ou no sistema de transportes por ambulâncias, caso seja mantido os atuais percentuais de casos positivos no município.




De acordo com o decreto, está determinada a suspensão das atividades pelo prazo de 30 dias, “prorrogáveis por igual período, caso não haja mudança do cenário epidemiológico”. As medidas adotadas determinam a suspensão de eventos ou reuniões de cunho religioso, exceto no formato de ‘lives’. Além de procedimentos eletivos de média complexidade, em unidades básicas de saúde, capazes de provocar filas ou aglomerações, especialmente de pessoas do grupo de risco. As feiras-livres ficarão totalmente suspensas devido ao aumento de casos positivos, tornando impossível permitir qualquer aglomeração.

Pelo mesmo motivo, a gestão municipal determinou o fechamento total de todos os estabelecimentos comerciais e de prestadores de serviços de qualquer natureza, exceto os serviços essenciais à vida humana. O documento ressalta que todos os estabelecimentos comerciais e de prestadores de serviços poderão atender “sob agendamento telefônico, um cliente por vez, desde que mantenham todas as recomendações de higiene preconizadas pelas autoridades sanitárias e abram suas portas, apenas e tão somente, para o acesso do atendente e do único cliente, fechando-as imediatamente após este acesso e após a saída”.




As academias de ginásticas, estabelecimentos de artes marciais, salões de beleza, barbearias, esteticistas, tatuadores, fisioterapeutas, dentistas, e afins, tiveram atendimento suspenso por completo, durante vigência do documento oficial emitido nesta sexta. “Os estabelecimentos e serviços, quando autorizados a funcionar, serão obrigados a manter higienização frequente dos seus equipamentos e das vias de acesso. Deverão disponibilizar máscaras aos seus servidores, além de meios eficazes de higienização das mãos e demais meios capazes de inibir a infecção humana pelo novo coronavírus”. (Jornal da Chapada)