Vacina russa para Covid-19 induziu resposta imune e não teve efeitos adversos





A foto, do dia 6 de agosto, mostra a vacina desenvolvida na Rússia contra a Covid-19, a primeira a ser registrada em todo o mundo contra a doença. — Foto: Handout / Russian Direct Investment Fund / AFP

A vacina da Rússia para a Covid-19 não teve efeitos adversos e induziu resposta imune, indica um estudo com resultados preliminares publicado na revista científica “The Lancet”, uma das mais importantes do mundo, nesta sexta-feira (4). Os cientistas russos reconheceram a necessidade de mais testes para comprovar a eficácia da vacina.




Chamada de “Sputnik V”, a imunização foi registrada no mês passado na Rússia, mas a falta de estudos publicados sobre os testes gerou desconfiança entre a comunidade internacional.

O diretor do Fundo de Investimento Direto Russo, (RDIF), Kiril Dmitriev, anunciou à imprensa que a Rússia vai liberar a tecnologia para a vacina começar a ser produzida no exterior em novembro.

No Brasil, o governo do Paraná firmou uma parceria para desenvolver a vacina russa e, nesta sexta (4), informou que o pedido de registro do imunizante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve ser feito em 10 dias. Os testes no país devem começar em 1 mês.

Resposta imune forte e de longo prazo

Segundo os resultados publicados, referentes às fases 1 e 2, não houve efeitos adversos até 42 dias depois da imunização dos participantes, e todos desenvolveram anticorpos para o novo coronavírus (Sars-CoV-2) dentro de 21 dias.




Os cientistas do Instituto Gamaleya, que desenvolveu a vacina, disseram à imprensa que essa resposta foi maior do que a vista em pacientes que foram infectados e se recuperaram do novo coronavírus naturalmente.

A vacina russa foi testada em 76 pessoas. Todas receberam uma forma da vacina (veja detalhes das etapas dos testes mais abaixo), sem grupo controle (o que recebe uma substância inativa, o placebo), que serve para que os resultados sejam comparados entre os dois grupos).

A médica epidemiologista Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas, lembra, entretanto, que criar anticorpos não significa proteção contra a doença.

“Produzir anticorpos não significa que tem proteção, significa que tem resposta imune. Só vai saber se dá proteção se tiver dois grupos – um placebo e um com a vacina – e ver quais pessoas se infectaram com e sem a vacina. Só se pode falar em proteção pela vacina com isso”, destaca Garrett.

Os resultados também sugerem que a vacina produz uma resposta das células T, um tipo de célula de defesa do corpo, dentro de 28 dias. As células T têm, entre outras funções, destruir células infectadas por um vírus. Os cientistas do Gamaleya afirmaram que as respostas de células T vistas com a vacina indicam não só uma resposta imune forte, mas de longo prazo.




O fato de não haver grupo controle foi notado pelos cientistas como uma limitação do estudo. Outro ponto limitante, indicaram os cientistas, é que os voluntários incluídos eram relativamente jovens, com idades entre 20 e 30 anos (apesar de a idade de recrutamento ter sido entre 18 e 60 anos). Pessoas mais velhas correm mais risco de desenvolver a forma grave da doença e morrer pela infecção. (G1)