Estado de saúde de comentarista da Band é grave, diz Coluna

,Após duas cirurgias nesta semana por conta de tumor na próstata, o comentarista da Band e médico ortopedista Osmar de Oliveira, 70 anos, está internado desde quarta-feira (14) em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital AC Camargo, na Liberdade, em São Paulo. “O Osmar teve uma melhora neste sábado (17) em relação à sexta-feira (16), mas continua sendo grave”, disse o médico Joaquim Grava ao Uol. Apesar de não ter acompanhado as cirurgias, Grava tem se atualizado sobre o estado do colega de profissão e amigo. Doutor Osmar é um dos nomes da Band para a transmissão da Copa e está de licença da televisão para se tratar do problema de saúde.

Homem de Utinga é o primeiro brasileiro a sair do Ibirapuera com os ingressos para Copa do Mundo 2014

Foto: O bibliotecário Edilson Oliveira, de 62 anos, foi o primeiro a sair com ingressos do Ginásio do Ibi / Leonardo Guandeline/O Globo
O bibliotecário Edilson Oliveira; FOTO: Leonardo Guandeline/O Globo

Mesmo com o feriado prolongado e ensolarado em São Paulo, ao menos 200 pessoas formaram fila no início da tarde desta sexta-feira no Ginásio do Ibirapuera, na Zona Sul da capital paulista, para retirar ingressos comprados no site da Fifa para partidas da Copa do Mundo. A entrega teve início ao meio-dia. Entrando em blocos de dez, os compradores não demoraram mais do que dez minutos para sair do ginásio com os bilhetes na mão. Apesar da fila, segundo a Organização, não foram registrados incidentes. 
O bibliotecário Edilson Pereira de Oliveira, de 62 anos, chegou ao Ibirapuera por volta das 7h e foi o primeiro ao sair do ginásio com os ingressos, às 12h10m. Comprou para seis partidas, incluindo as duas semifinais.
– Estou muito emocionado. Mas só vou ter uma dimensão disso quando acabar a Copa – disse.
Oliveira vai assistir Bélgica x Argélia e Costa Rica x Inglaterra, ambos em Belo Horizonte; Equador x França, no Rio de Janeiro; e Honduras x Equador, em Curitiba; além das semifinais, uma em Belo Horizonte e a outra, em São Paulo.
Como os ingressos são nominais, quem repassá-los para outra pessoa será taxado. Segundo a Fifa, caso a revenda seja disponibilizada no site da entidade, haverá a cobrança de uma taxa de 10% em caso de confirmação da negociação.
Além do Ginásio do Ibirapuera, São Paulo terá mais dois centros de distribuição: o Centro Cultural São Paulo, ao lado da estação Vergueiro do metrô, e na Rua 15 de Novembro, 347. Estes dois últimos só começarão a operar no dia 1 º de junho. A Fifa informa que não haverá entrega de bilhetes nos estádios.
No Ginásio do Ibirapuera, os ingressos serão entregues às sextas-feiras, das 12h às 20h e aos sábados e domingos, das 10h às 18h. A partir de 2 de maio, o atendimento será diário, das 9h às 21h, estendendo-se até o final da Copa.
Para retirar os ingressos, é preciso apresentar a confirmação de reserva e um documento de identificação. Aqueles que compraram meia entrada também têm que apresentar documento que comprove sua condição. Pessoas com necessidades especiais devem levar atestado médico. (O Globo)

Morre o narrador esportivo Luciano do Valle

Morre o narrador esportivo Luciano do Valle

O jornalista e narrador Luciano do Valle faleceu na tarde deste sábado (19) aos 70 anos, em Uberlândia, Minas Gerais. O narrador teria passado mal e, por isso, foi internado em um hospital particular da cidade. A morte do narrador foi confirmada pela Band, emissora para a qual ele prestava serviços.

O narrador chegava a Uberlândia para cobrir o jogo entre Atlético-MG e Corinthians, que acontece no domingo (20) no Estádio Parque do Sabiá, pela 1ª rodada do Campeonato Brasileiro (Brasileirão). De acordo com informações preliminares do hospital particular, o narrador deu entrada direto na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A causa da morte ainda não foi confirmada e o hospital ainda não passou mais detalhes sobre o ocorrido à reportagem. (Metro1)

‘Lepo, Lepo’: Bahia empata e conquista o 45º título Baiano

por Felipe Santana
'Lepo, Lepo': Bahia empata e conquista o 45º título Baiano
Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias
Era necessário o empate ou uma derrota por um gol de diferença, e o Bahia soube aproveitar o regulamento muito bem. O tricolor, como visitante, não se intimidou. Saiu na frente, abriu 2 a 0, mas não segurou o resultado. Conteve o ímpeto rubro-negro, arrancou o empate em 2 a 2 e conquistou o 45º título do Campeonato Baiano da sua história. Os gols do esquadrão foram marcados pelo volante Fahel e o experiente meia Lincoln, enquanto Juan e Ayrton marcaram pelo leão.
 
Agora está tudo igual na história. Com o troféu, na história dos estaduais, o Bahia igualou o confronto e agora são 18 conquistas para cada lado. Quer mais? É mais uma partida sem perder para o Vitória, aumentando assim a invencibilidade para sete partidas consecutivas.
 
Fora de campo, o presidente Fernando Schmidt é tetracampeão. Eleito no ano passado, após intervenção judicial, o mandatário tricolor volta a comemorar um baianão além do tri consecutivo entre 1972 e 1974.
 

Jogo
Antes da bola rolar surpresa apenas pelo lado rubro-negro. Ney Franco colocou em campo os dois centroavantes Souza e Dinei, recuperado de lesão, além da escalação do volante Neto Coruja. Do outro lado, tratados como dúvidas durante toda semana, o atacante Rhayner e Anderson Talisca foram liberados. Passaram no teste e iniciaram o clássico no Estádio de Pituaçu.

Começou o clássico
Um jogo muito equilibrado nos primeiros dez minutos. O Bahia, com menos de cinco minutos, levou perigo ao gol de Wilson em cobrança de falta feita por Lincoln, mas ninguém desviou até chegar nas mãos do goleiro rubro-negro. Aos 9, de fora da área, Marquinhos arriscou e obrigou defesa de Marcelo Lomba em dois tempos. Tecnicamente o início do clássico não era empolgante, mas o clima era nervoso, um cartão para cada lado, e muitas faltas.

 
Aos 15 minutos, depois do chutão, Diego Macedo cortou errado. Juan tentou a jogada individual, mas o chute saiu sem direção. Quem também não teve noção de espaço foi o zagueiro Luiz Gustavo. Aos 20 minutos, ao tentar o passe ao lado da área, errou. Lincoln dominou, driblou e levou falta.

Gol do Bahia
Na cobrança, como no primeiro clássico, Talisca jogou na área e, de cabeça, Fahel abriu  o placar. Neste o Vitória, após levar o gol, necessitaria de mais três gols para conquistar o título.  O Bahia teve uma chance para ampliar o marcador. Aos 24, após falta de Salustiano em Maxi, Lincoln cobrou falta na barreira e no rebote finalizou para fora.
Mesmo com três atacantes, o que teoricamente deixaria o Vitória ofensivo, os comandados de Ney Franco não conseguiu encaixar os passes. Bom para o Bahia que era exigido apenas em lances de bola parada como aconteceu aos 31 minutos. José Wellison tentou o cruzamento, ninguém desviou, e Marcelo Lomba segurou.

Aos 40 minutos o atacante Rhayner quase marcou o segundo tricolor. Demerson recuperou a bola na defesa e fez um lindo lançamento para Rhayner. Ele disparou, passou por Ayrton e entrou na área. Mas, na hora do chute, pegou errado de perna esquerda e mandou para linha de fundo.

Segundo do tricolor
O Bahia ampliou a vantagem. Aos 42, a defesa do Vitória errou no posicionamento e após o lançamento deixou Lincoln livre, dentro da grande área. O experiente meia dominou, pensou e tocou na saída de Wilson. Bahia cada vez mais perto do troféu de campeão baiano. Foi o último lance importante da etapa inicial.

Torcida do Bahia era só festa nas arquibancadas de Pituaçu, enquanto os rubro-negros protestavam contra ruim atuação do time.

Segundo tempo  e gol do Vitória
O Vitória voltou diferente para etapa final. Ney Franco substituiu Souza por William Henrique por dois motivos: primeiro deles dar mais velocidade ao time e consequentemente modificar o posicionamento de Dinei, o deixando mais centralizado e próximo à grande área. E o leão, aos 5 minutos, quase diminui o placar. José Wellison, como homem surpresa, apareceu na grande, girou e finalizou nas mãos de Marcelo Lomba.

Aos 10 minutos, após escanteio, o árbitro Péricles Bassols viu pênalti ao perceber um toque de mão do lateral Diego Macedo. Na cobrança, com muita tranquilidade, o lateral-esquerdo Juan descolocou Marcelo Lomba e marcou o primeiro gol do Vitória na partida.

Vitória empata com 10 em campo 
Aos 17 minutos, o atacante Rhayner disparou pelo lado esquerdo e, apesar da adiantar a bola demais, sofreu falta do zagueiro Mateus Salustiano. Um lance infantil. O jovem defensor, que já tinha cartão amarelo, foi advertido mais uma vez e deixou o rubro-negro com dez homens em campo. Na cobrança de Lincoln, o meia Anderson Talisca cabeceou e levou perigo à meta de Wilson.

Com um jogador a menos o rubro-negro foi perigoso aos 20. Mansur cruzou rasteiro e William pegou muito bem na bola, de primeira, mas a finalização antes de chegar na meta pegou em Dinei. O desvio foi fundametal para que o Vitória não chegasse ao segundo gol. A partida ficou lá e cá. No minuto seguinte, Pittoni deu lindo passe e deixou Talisca de frente para Wilson. O camisa 9 tricolor bateu fraco e o camisa 1 encaixou.

Era um lance tranquilo. Aos 28 minutos, na tentativa de cortar o lance, o lateral Pará errou feio e entregou nos pés de Ayrton. O camisa 2 bateu rasteiro e deixou tudo igual em Pituaçu. Para o Vitória, após empatar, era necessário mais dois gols. E a partir do segundo gol foi pura pressão rubro-negra. Aos 40, Rafael Miranda não cortou o cruzamento. Juan pegou de primeira e Lomba encaixou.

No fim, o Bahia criou duas excelentes oportunidades para sacramentar o título. Talisca em jogada individual e depois Rafinha pararam no goleiro Wilson. Era chance atrás de chance. Aos 46, Talisca deixou Diego Macedo em boas condições que bateu cruzado, colocando o arqueiro rival para trabalhar.
 
FICHA TÉCNICA:
Campeonato Baiano – Final
Vitória x Bahia
Local: Estádio de Pituaçu, em Salvador (BA)
Data: 13/04/2014
Árbitro: Péricles Bassols (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Pereira (RJ) e Kleber Lúcio (SC)
Gols: Juan e Ayrton (Vitória) / Fahel e Lincoln (Bahia) 
Cartões amarelos: Ayrton, Souza, Cáceres Salustiano (Vitória) / Rhayner, Marcelo Lomba, Lincoln (Bahia) 
Público total: 24.020 
 
Vitória: Wilson; Ayrton, Matheus Salustiano, Luiz Gustavo e Juan; Neto Coruja, José Wellison (Mansur) e Cáceres (Dão); Marquinhos, Souza (William Henrique) e Dinei. Técnico:Ney Franco.
 
Bahia: Marcelo Lomba; Diego Macedo, Demerson, Titi e Pará; Fahel, Rafael Miranda, Lincoln (Pittoni), Rhayner (Rafinha) e Maxi Biancucchi (Anderson Conceição; Talisca. Técnico:Marquinhos Santos.

Gol irregular aos 46 dá título ao Flamengo contra Vasco

E o Flamengo é o grande campeão carioca de 2014. Campeão da Taça Guanabara e time de melhor campanha da competição, o clube rubro-negro chegou ao título graças a um gol de Márcio Araújo, irregular, aos 46 minutos do segundo tempo. O empate com o Vasco (1 a 1), mesmo resultado da primeira partida, bastava para o time do técnico Jayme de Almeida.
As duas equipes foram para o clássico deste domingo, no Maracanã, com desfalques importantes. Dúvida durante toda a semana, o atacante Edmilson – artilheiro do Carioca com 11 gols – chegou a treinar com os companheiros de Vasco no sábado, mas foi vetado antes da partida e nem sequer ficou no banco. No Flamengo, Samir também foi cortado de última hora. Elano e Hernane já eram desfalques certos.
Precisando vencer para conquistar o título, o Vasco teve mais iniciativa no primeiro tempo. A equipe do técnico Adilson Batista atuou com suas linhas avançadas e procurou buscar o ataque usando os flancos. Pedro Ken se movimentava pela meia direita e William Barbio constantemente era acionado pela esquerda. Douglas tentava articular pelo meio.
O problema é que, sem Edmilson e com apenas Thalles mais avançado – Adilson abriu mão de atuar com três atacantes -, o Vasco carecia de uma referência na frente. Foram poucas as bolas alçadas na área e foram mais escassas ainda as chances de gol do Vasco no primeiro tempo. A melhor delas aconteceu aos 11 minutos, quando Douglas bateu falta pela direita e a bola passou com perigo na frente do gol.
Do lado do Flamengo, a situação não era diferente. Dependendo apenas do empate, a equipe do técnico Jayme de Almeida jogou com uma tática diferente do seu rival, reforçando a marcação na defesa e explorando os contragolpes.
Everton foi o escolhido para puxar os contra-ataques, com Paulinho e Alecsandro sempre abrindo pelos lados. Mas a ânsia de marcar aquele que poderia ser o gol do título levou os atacantes do Flamengo a abusarem do individualismo. Eles perderam ótimas chances de finalização nos primeiros 45 minutos.

Na etapa complementar o Flamengo mudou a postura e se soltou mais ao ataque. Leo Moura, pela direita, André Santos, pela esquerda, e Luiz Antônio, pelo meio, fizeram o time rubro-negro dominar as ações de jogo e chegar mais perto da abertura do placar. 
A história do jogo, porém, começou a mudar aos 14. Chicão e André Rocha se desentenderam na área na área e o árbitro Marcelo de Lima Henrique expulsou os dois. Para recompor a defesa, Jayme de Almeida sacou o meia Everton e o substituiu pelo zagueiro Erazo.
A mudança acabaria se demonstrando equivocada. O Flamengo perdeu velocidade de contragolpe e o Vasco passaria a ganhar o meio-campo. As chegadas com Thalles, Fellipe Bastos e Pedro Ken se intensificaram. Até que, aos 30, Pedro Ken recebeu no interior da área e Erazo, em entrada abrupta, cometeu pênalti. Douglas bateu com categoria, tirou de Felipe e fez 1 a 0.
Mais do que a vantagem no marcador, o gol desestruturou o Flamengo. O time rubro-negro passou a tentar o ataque desesperadamente, sem pensar as jogadas, errando passes e forçando demais as jogadas para Alecsandro. 
Foi quando Jayme de Almeida corrigiu o erro da saída de Everton, colocando Gabriel e Nixon no time. O Flamengo melhorou a ligação com o ataque e passou os últimos 15 minutos praticamente somente no campo de ataque. E foi recompensado aos 46, quando Márcio Araújo, após cabeceio de Wallace na trave, aproveitou o rebote para empatar. O gol, em posição irregular, foi validado pelo árbitro Marcelo de Lima Henrique. E o Flamengo comemorou o título carioca pela 33ª vez em sua história. (Estadão)

Morre capitão do primeiro título mundial do Brasil

Morre capitão do primeiro título mundial do Brasil
Foto: Arquivo/ Agência Estado

O capitão da seleção brasileira na conquista de sua primeira Copa do Mundo, em 1958, Hideraldo Luiz Bellini morreu nesta quinta-feira (20), aos 83 anos, em São Paulo. O falecimento foi comunicado pelo Hospital 9 de Julho, onde ele estava internado por complicações do Mal de Alzheimer. O ex-zagueiro, que nasceu em 7 de junho de 1930, será sepultado nesta sexta-feira (21), em Itapira, sua cidade natal, no interior de São Paulo. Bellini foi quem imortalizou o gesto de levantar a taça de campeão sobre a cabeça.(Bahia notícias)

Atitude de Neymar com menino no Soccer City repercute até entre atletas

Ferdinand elogia Neymar (Foto: Reprodução / Facebook)A atitude de Neymar, que pediu aos seguranças que liberassem o menino Ayo Dosumu, pequeno invasor do Soccer City nesta quarta-feira, recebeu apoio do inglês Rio Ferdinand. O histórico jogador da seleção inglesa e do Manchester United usou o Facebook para elogiar a ação do atacante brasileiro.

– Classe de Neymar! Um garoto da África do Sul corre no gramado, seguranças tentam tirá-lo, mas Neymar intervém! Boa, cara! – escreveu.

Ayo entrou no campo logo depois da vitória do Brasil diante da África do Sul por 5 a 0. O craque do Barcelona viu a cena e foi até os seguranças para pedir que o garoto fosse liberado. Em seguida, caminhou com ele até o grupo de jogadores brasileiros, que tiraram fotos e brincaram com o garoto.

Veja o vídeo:

Brasil goleia com 3 de Neymar e golaço de Fernandinho

Em mais um teste visando a Copa do Mundo, a Seleção Brasileira abriu o ano com uma boa vitória sobre a África do Sul, pelo placar de 5 a 0, nesta quarta-feira, 5, no Estádio Soccer City, em Johannesburgo. O amistoso serviu de grande oportunidade para o volante Fernandinho, um dos alvos de Luiz Felipe Scolari. O jogador do Manchester City marcou o quarto gol brasileiro e se aproximou da vaga no Mundial – Neymar marcou três e Oscar anotou outro gol brasileiro. Fernandinho teve performance mais tímida até a entrada de Luiz Gustavo, quando passou a atuar como segundo volante e marcou o gol. O volante disputa vaga com Lucas Leiva e Hernanes na Seleção. O lateral-direito Rafinha, também observado nesta quarta, teve atuação mais discreta nos 90 minutos do amistoso. Mas ainda sonha com o lugar na Copa. Ele jogou mais recuado e arriscou poucas jogadas com Hulk no ataque, pelo lado direito. Ele briga com Maicon pela posição de reserva de Daniel Alves. O amistoso com a África do Sul marcou o primeiro duelo do time de Felipão em 2014 e também o último teste para os candidatos a uma vaga no grupo do treinador para a Copa do Mundo. Depois desta partida, os jogadores vão ficar na expectativa pela convocação oficial, no dia 7 de maio. A partida, que teve a estreia dos uniformes 1 e 2 da Seleção, também foi especial para os sul-africanos. O amistoso fez parte dos festejos que marcam os 20 anos do fim do apartheid no país e serviu de homenagem a Nelson Mandela, que morreu há exatos três meses. Os jogadores da casa entraram em campo com uma camisa exibindo o número da cela em que Mandela esteve preso antes de se tornar presidente.

Cristiano Ronaldo é eleito o melhor jogador do mundo no Prêmio Bola de Ouro 2013

Finalmente, o português Cristiano Ronaldo foi eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa. O prêmio Bola de Ouro aconteceu na tarde desta segunda-feira (13), em Zurique, na Suiça. O craque do Real Madrid foi o último homem a ganhar a Bola de Ouro antes do reinado de Messi. Desde então, ocupava a posição de coadjuvante do argentino, o que o deixou visivelmente irritado.

A eficiência do português em 2013 foi incontestável. Foram 66 gols em 56 jogos em 2013 – e Cristiano Ronaldo levou Portugal à Copa ao fazer quatro gols nos jogos da repescagem contra a Suécia. Além disso, Cristiano não foi individualista. Seu número de assistências foi exatamente o mesmo de Messi: 15.

Com a conquista do prêmio, CR7 sua renda anual deve subir para 43 milhões de euros (R$139 milhões) para 50 milhões de euros. A avaliação é da escola de marketing IPAM, de Lisboa.

Telexfree Internacional anuncia acordo de patrocínio com o Botafogo

O Botafogo anunciou na manhã desta quinta-feira a parceria com a Telexfree. A empresa americana teve suas operações bloqueadas judicialmente no Brasil em 2013 após ser denunciada pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) por suspeita de atuar sob esquema de pirâmide financeira. Ela estampará sua logomarca na barra frontal e no peito do uniforme alvinegro. O valor do patrocínio, que terá duração de um ano, não foi divulgado.
O contrato assinado em Miami, nos Estados Unidos, contou com a presença do diretor comercial Ayrton Mandarino e com a diretora jurídica Joana Prado, em vídeo produzido e divulgado pela Telexfree, que pretende vender no Brasil a telefonia VOIP – chamadas telefônicas realizadas dentro de uma rede de dados IP (internet ou rede interna), reduzindo os gastos. Mas na apresentação do patrocínio, em General Severiano, o clube mostrou não temer a associação de sua imagem à empresa, garantindo que o acordo foi selado sem qualquer irregularidade.
– Acompanhamos tudo o que saiu na imprensa, mas é uma empresa legalizada pela Anatel e, por isso, pronta para operar no país. Estamos muito orgulhosos dessa parceria e felizes com a confiança depositada no Botafogo. As remessas de recursos da Telexfree serão feitas por trâmites legais. Em hipótese alguma faríamos diferente numa questão delicada como essa. São procedimentos corriqueiros em operações comerciais, mas pouco comuns no futebol – explicou o diretor executivo do Botafogo, Sérgio Landau.
Diretor de tecnologia da Telexfree, o brasileiro Carlos Wazeler procurou, em seu discurso, desassociar a matriz americana da empresa brasileira Ympactus Comercial Ltda. ME, representante da Telexfree no Brasil e alvo de investigação do Ministério Público do Acre.
– O acordo com o Botafogo foi fechado com a Telexfree internacional, não tem nada a ver com a Ympactus no momento. Acho uma covardia não termos a oportunidade de dizer quem é a empresa. Acredito na Justiça brasileira, e vamos resolver isso em pouco tempo.
Os representantes da Telexfree também mostraram-se pouco preocupados com o fato de a empresa patrocinar um clube brasileiro mesmo sem ter o direito de operar no país.
– A Telexfree opera no mundo inteiro, somente no Brasil é que ainda não. O Botafogo está no mundo inteiro – disse Carlos Wazeler. (Globo Esportes)