Utinga é Campeã da Copa Otto Alencar

A Seleção de Futebol de Utinga sagrou-se campeã da Copa Otto Alencar disputando a final contra a Seleção de Ruy Barbosa com um placar de 1 X 1 no tempo regulamentar e 4 X 3 na disputa de pênaltis. A trajetória da Seleção Utinguense é digna de admiração e aplausos. Foi uma conquista suada, de muita coragem, tenacidade e persistência. Depois da derrota do 1º jogo do campeonato, os atletas não se abateram. Fizeram do infortúnio uma motivação para a conquista definitiva do título. A cada jogo que se sucedia o entusiasmo e a determinação dos jogadores só aumentavam e isso refletia nos resultados das partidas: 4 X 0 contra a Seleção de Lajedinho e 4 X 0 contra o Bonito. Na disputa da semifinal com Boa Vista do Tupim o resultado foi um empate de 2 X 2, indo para a disputa de pênaltis, onde também se saiu vitoriosa de um 4 X 3. Em entrevista a este site o Prefeito Alberto Muniz fez uma analogia entre o histórico da Seleção Utinguense e a sua administração. Segundo Alberto Muniz a Seleção não se abateu com um primeiro resultado não satisfatório. Pelo contrário, fez das dificuldades uma mola propulsora para lutar pelo objetivo final. No caso da administração, as dificuldades iniciais estão sendo gradativamente sanadas e Utinga começa a se desvencilhar dos obstáculos que estão em seu caminho, dificultando o seu progresso. “Analisando o empenho dos nossos atletas, miro no exemplo deles e reafirmo a minha filosofia de vida e de administrar. Não é fácil, mas com a ajuda de Deus, juntamente com a eficiência dos funcionários e o apoio da população, vamos devolver a Utinga o lugar que ela merece e de onde nunca deveria ter saído: uma cidade destaque na Chapada Diamantina e, por extensão, na Bahia. Uma cidade onde prevaleça a solidariedade, o progresso, o trabalho digno, um comércio forte, uma educação realmente libertadora, uma saúde de qualidade, uma agricultura produtiva, um turismo sustentável, um esporte saudável, enfim, uma cidade à altura dos utinguenses”.(Site oficial da Prefeitura)

Anderson Silva perde cinturão para Cris Weidman


A lenda do UFC Anderson Silva não conseguiu fazer frente ao jovem Cris Weidman. Na madrugada desse domingo, no MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, Estados Unidos, o  o UFC 162 sagrou um novo campeão para  peso médio. A arena estava totalmente lotada, mas nem mesmo a presença incrível de brasileiros fez a lenda superar a juventude do desafiante.  No 2º round, Anderson Silva chama Weidman para a luta, mas Weidman  acerta um cruzado de esquerda e Anderson desaba. O americano golpeia  no solo até Herb Dean interromper e decretar a vitória de Weidman por nocaute. Agora, Weidman é o novo campeão dos médios e uma revanche deverá ser marcada em breve. Com esta derrota a quinta na carreira, Anderson ve chegar ao fim uma sequência de 17 vitórias consecutivas. 

Juiz é esquartejado após matar jogador a facadas

Foto ilustrativa

Uma partida de futebol terminou de forma trágica no povoado de Centro do Meio, na zona rural da cidade de Pio XII, no Maranhão no domingo (30). Segundo informações da Polícia Civil, publicadas pelo site Terra Notícias, as mortes aconteceram depois de um lance polêmico.Durante a partida, Josenir Santos Abreu, 30 anos, teria sido expulso e, insatisfeito com a atitude do árbitro, teria dado início a uma luta corporal. Durante a agressão, o árbitro, Otávio Jordão da Silva, 20 anos, sacou uma faca da cintura e desferiu um golpe no peito do jogador, que foi socorrido, mas morreu a caminho do hospital.
Diante do ocorrido, jogadores e espectadores da partida se revoltaram com Otávio e o amarraram, dando início a uma série de agressões. Ele foi espancado e apedrejado, morrendo no local. Não satisfeitos, os populares ainda esquartejaram o corpo do árbitro e fincaram a cabeça da vítima em uma estaca.
O delegado regional de Santa Inês, Valter Costa, informou que teve acesso às imagens do crime, registrado por câmeras de celulares. Segundo ele, os autores já haviam sido identificados. “Relatos de testemunhas já indicaram algumas pessoas que estavam no local na hora do fato. Vamos identificar e responsabilizar todos envolvidos. Um crime nunca vai justificar o outro. Ações como essa não colaboram com a legalidade de um estado de direito”, disse.

Um dos suspeitos, Luís Moraes Sousa, foi preso nesta quarta-feira na cidade de Lago Açu. A polícia procura agora outros envolvidos no crime. O caso é investigado pela 7ª Delegacia Regional de Santa Inês.

Confira na íntegra a carta que Felipão entregou aos jogadores antes da decisão

Na manhã de domingo (30), antes da final da Copa das Confederações, entre Brasil e Espanha, Felipão resolveu começar a vencer a partida. Segundo o jornal Extra, o treinador colocou uma carta de duas páginas debaixo da porta de cada jogador na concentração, motivando os atletas para a partida decisiva.

O título do texto era “Um dia num instante” e no discorrer fazia citações ao produtor Walt Disney e ao líder americano Martin Luther King.

“Se não puder voar, corra. Se não puder correr, ande. Se não puder andar, rasteje. Mas continue em frente de qualquer jeito”, escreveu Felipão, citando o líder negro Martin Luther King.

Scolari lembrou também da importância de vencer o torneio. “Vencer a Copa das Confederações possibilitará sermos vistos dentro de uma perspectiva diferente para a disputa e conquista da Copa do Mundo em 2014”, destacou.

Antes da assinatura de Felipão, um poético agradecimento àquela “gente que sorri, que se emociona, e que com um simples olhar irradia vida e luz”.

Confira a carta entregue aos jogadores da seleção brasileira na íntegra abaixo:

Brasil goleia, acaba com a invencibilidade da Espanha e é tetracampeão

Brasil goleia, acaba com a invencibilidade da Espanha e é tetracampeão (AFP)

Não tem balança que defina o peso de uma camisa. Tradição não se mede com uma régua, não se calcula com uma máquina. Mas existem Campeões, com letra maiúscula, e campeões. Existem Seleções, com letra maiúscula, e seleções. E existem pentacampeões. Com vitória de 3 a 0 no Maracanã, o Brasil mostrou ao (ex?) melhor time do mundo que não é da noite para o dia que cinco estrelas vão parar em um peito. Fred, destruidor, marcou duas vezes. Neymar, eleito o melhor em campo, fez o outro. O Brasil é campeão da Copa das Confederações pela quarta vez. Campeão em uma noite em que a torcida resumiu tudo ao gritar

– Ôoooo, o campeão voltou! O campeão voltou!

O campeão voltou jogando um absurdo. David Luiz talvez tenha feito a melhor partida da vida. Neymar foi infernal como poucos sabem ser. Hulk assinou seu atestado de permanência no time. E Fred foi Fred, foi matador, foi aquele sujeito que nasceu para vestir a 9.

Um dia cairia a casa da Espanha, esse timaço que tanto, e a tantos, encantou nos últimos anos. A Roja não perdia há 29 partidas – consideradas as oficiais. Pois aconteceu justamente contra um adversário no qual eles mesmos se espelham, contra a escola que, não por acaso, é chamada de “jogo bonito”. A Espanha, que certamente seguirá forte na Copa de 2014, foi engolida em campo. Não é exagero: foi um passeio, um baile, um chocolate. Uma vitória que a torcida novamente soube resumir:

– Oooooooooolé! Oooooooolé! Oooooooolé!
Fred é um caso para se estudar. Ele faz gol de pé – aos montes. Faz gol no ar – às pencas. Mas, cá entre nós, gol deitado não é em toda lua cheia que sai. Que gol. Que gol. Eram só dois minutos do primeiro tempo. Do concreto cheirando a novo do Maracanã, parecia pulsar um organismo vivo, como se o estádio fosse, por si só, um torcedor – o maior dos torcedores.
Hulk recebeu da direita e mandou na área, enquanto urros de otimismo saíam das cadeiras. Fred foi na jogada. Neymar também. O camisa 9 desabou no chão. E a bola, companheira como o mais fiel dos cães, resolveu se aninhar nele. Reparemos que o jogador tinha um milésimo de segundo para pensar, feito o sujeito que precisa decidir se corta o fio azul ou o vermelho na hora de desativar uma bomba prestes a explodir. Fred foi ágil. Foi decidido. Deitado, no pequeno espaço de campo onde estava, encaixou o pé sob a bola e a ergueu. Casillas foi vencido. Gol do Brasil. Gol de Fred.
Ah, aí o Maracanã entrou numa euforia que parecia guardada nos três anos em que o estádio ficou fechado. Por uns 15 minutos, a Espanha pareceu atordoada. Paulinho, por cobertura, quase fez um gol histórico, mas Casillas salvou. Arbeloa, logo depois, levou amarelo ao evitar arrancada de Neymar que fatalmente renderia gol. Era impressionante a superioridade do Brasil.
Do outro lado, porém, estava a Espanha. Aos poucos, a Fúria começou a reagir. Voltou a ter mais posse de bola – uma tatuagem de seu futebol. Deu sinais de que poderia empatar. Iniesta bateu de fora da área, e Julio César espalmou. Pedro, livre pela direita, bateu cruzado após passe de Mata, e David Luiz (enorme em campo) cortou quase em cima da linha.
A Espanha se acalmou, entrou no jogo, enfrentou o Brasil. Mas a Seleção jamais deixou de buscar o segundo gol.  Fred bateu cruzado, para fora. Também tentou de cabeça, novamente fora do alvo. E recebeu livre, frente a frente com Casillas, mas chutou em cima do goleiro.
Enquanto isso, Neymar era arisco, envolvente, agudo. Participava dos ataques. Parecia bufar em busca de um gol. E conseguiu. Foi aos 44 minutos. Pegou a bola pela esquerda, acionou Oscar e recebeu de volta. Bom lembrar que os dois foram muito inteligentes. Primeiro o camisa 11, que, ao perceber Neymar impedido no lance, prendeu a bola. Depois, o camisa 10, ao recuar para sair da posição irregular. Foi quando Oscar rolou na medida, e Neymar nem pensou: já emendou um chute seco, forte, no ângulo. Casillas vai passar o resto da vida procurando a bola. Que pancada: 2 a 0.
E não é que tinha como ficar melhor? Veio o segundo tempo, e o Brasil logo fez mais um. Com Fred, sempre com Fred. Aos dois minutos, Hulk acionou Neymar, que teve inteligência para dar, vender e emprestar ao deixar a bola passar para o centroavante. A conclusão foi precisa, no cantinho. Casillas ainda tocou nela. Em vão: era o terceiro gol.
Acabou. A Espanha, por melhor que seja, por mais talento que tenha, não poderia virar. Mas bem que tentou. Aos oito minutos, Marcelo fez pênalti em Navas. Poderia ser a sobrevida do adversário, não fosse esse domingo um dia dedicado ao Brasil. Sergio Ramos bateu. Para fora. A torcida vibrou como se fosse gol.
O Brasil seguiu atacando. A Espanha também. Em uma arrancada verde-amarela, Piqué derrubou Neymar, seu futuro colega de Barcelona, e foi expulso. Estava aberto o caminho para mais gols.
Mas eles não saíram. O Brasil teve outras chances, inclusive em contra-ataques com quatro jogadores contra dois. Falhou em um detalhe ou outro – um conforto permitido àqueles que têm a vitória nas mãos. A Espanha, com Villa em campo, teve honradez para sempre buscar seu gol, como se estivesse 0 a 0.
Inútil. Era a noite da queda dos grandes campeões mundiais, dos grandes bicampeões europeus. Acima de tudo, era a noite do retorno do maior campeão. (G1esporte)

Neymar ‘briga’ com novos colegas do Barça

Messi tinha seis anos de Barcelona quando precisou enfrentar seus companheiros espanhóis em um jogo de seleções pela Argentina pela primeira vez. E até hoje nunca fez isso em confrontos oficiais (foram três amistosos). Neymar só esteve no clube catalão por 24 horas, não teve contato com seus novos colegas e já terá que enfrentá-los em um jogo que vale título e com um clima bastante tenso. Na final da Copa das Confederações, domingo, no Maracanã, Neymar pode enfrentar até sete jogadores da sua nova equipe. E, sendo o jogador mais faltoso da competição e mais uma vez acusado de insistir na simulação de faltas, prática nem um pouco apreciada pelos europeus, tem a chance de jogar mais combustível no mais esperado jogo de seleções do mundo nos últimos anos e que vai ocorrer com os espanhóis em clima nada amistoso com o Brasil. Primeiro pelas vaias que receberam em todos os seus quatro jogos na Copa das Confederações, misto do desprezo dos torcedores pelo toque de bola e também pelos atuais campeões do mundo serem vistos como grande obstáculo para o Brasil ganhar o torneio e também a Copa do ano que vem. Os jogadores da Espanha também se mostraram incomodados com reportagens sobre o comportamento do time nas concentrações em Recife e Fortaleza, apimentado pela imprensa esportiva do país europeu, que viu as histórias de roubos e prostitutas como uma “conspiração” da Fifa e brasileiros para beneficiar o anfitrião na Copa das Confederações. Menos mal para Neymar que pelo setor onde costuma mais atacar, o esquerdo, terá a marcação mais próxima de dois jogadores do Real Madrid, Arbeloa e Sérgio Ramos. (MSN)

Tribunal de Justiça do RJ revoga liminar que suspendia amistoso

A juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Gracia Cristina do Rosário, revogou na noite desta quinta-feira a liminar que impedia a realização do amistoso entre Brasil e Inglaterra, no próximo domingo, no Maracanã. A Procuradoria do Estado apresentou os laudos que faltavam para assegurar a realização da partida.
Na tarde desta quinta, uma liminar da Justiça suspendeu o jogo por “considerar que o estádio não oferece segurança para o público”, após pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro. A liminar foi assinada pela juíza 13ª Vara de Fazenda da Capital, Adriana Costa dos Santos. Segundo nota divulgada pelo Governo, o Tribunal de Justiça-RJ revogou a liminar após recurso com a apresentação do laudo da Polícia Militar, que comprovou as condições de segurança necessárias no Maracanã.
Todos os ingressos para a partida, que marcaria a reabertura do Maracanã, estão vendidos (cerca de 70 mil pessoas eram esperadas no amistoso). A nota divulgada pelo governo estadual confirma a realização do amistoso neste domingo, às 16h.
Confira a nota divulgada pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro:
A juíza de plantão no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro revogou a liminar que suspendia o jogo ‘Brasil x Inglaterra’, dia 2/6, no Maracanã, mediante recurso do Governo do Estado com a apresentação do laudo da PM que comprova o cumprimento de todas as regras de segurança no Maracanã. O laudo não havia sido entregue à Suderj por *falha burocrática*.
O jogo entre Brasil e Inglaterra está confirmado para o dia 2/6 com as plenas condições de segurança atestadas.(G1 Esporte)

Victor pega pênalti aos 47 da etapa final, e Atlético-MG está na semifinal

A torcida do Atlético-MG prometeu e cumpriu. Nesta quinta-feira, pela partida de volta das quartas de final da Taça Libertadores, o que não faltou foi apoio. Nas cadeiras do Independência, milhares de vozes empurraram o Galo para as semifinais da competição internacional. Mas não foi fácil. O time mineiro sofreu muito e, com requintes de crueldade, deixaram os torcedores com o coração na boca. Victor fez milagres durante a partida e, aos 48 minutos do segundo tempo, defendeu um pênalti de Riascos. Foi incrível. O goleiro saiu do estádio Independência como um herói. No fim, o empate em 1 a 1 garantiu o time mineiro na próxima fase, já que o 2 a 2, no México, favoreceu o Atlético-MG, por conta dos dois gols marcados na casa do adversário. Nesta quinta, Riascos marcou para o Tijuana, e Réver empatou para o Galo.
O Tijuana, do México, não se assustou com o barulho, muito menos com as “máscaras da morte”, fantasias usadas pelos atleticanos para materializar o bordão “Caiu no Horto, tá morto”, cantado desde a reinauguração do estádio, em 2012.

O jogo foi dramático. Até o fim da partida, o Tijuana levou muito perigo ao gol do Atlético-MG. Foram inúmeras as chances e, em alguns momentos, Victor teve de fazer verdadeiros milagres para evitar que os mexicanos pulassem novamente à frente no placar. Quando não deu para o goleiro, a trave salvou, como na cobrança de falta de Arce. Muito bem marcado, Ronaldinho Gaúcho se destacou apenas em lances de bolas paradas. Foi assim que saiu o gol do Galo, em uma cobrança de falta perfeita.

Com o gol marcado diante do Tijuana, Réver se igualou a Luizinho, o craque que brilhou no Galo nos anos 1980, como o zagueiro que mais fez gols na história do Atlético-MG. Foi o 21º gol com a camisa alvinegra. Somente na atual temporada, foram sete gols, cinco pelo Campeonato Mineiro e dois pela Libertadores. Após o gol, Réver comemorou com a bola dentro da camisa, simulando uma gravidez, já que a mulher espera o segundo filho do casal.
O Atlético-MG acumulou 35 jogos seguidos sem perder no Independência. Neste período, foram 27 vitórias e oito empates. Além disso, já são 49 partidas sem perder como mandante, seja no estádio do Horto, no Mineirão ou na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.
Agora, o Atlético-MG voltará a campo, pela Libertadores, apenas no dia 3 de julho, após o encerramento da Copa das Confederações. A primeira partida das semifinais, contra o Newell’s Old Boys, da Argentina, será fora de casa, em Rosário. Antes disso, o Galo volta o foco para o Campeonato Brasileiro. Pela terceira rodada da competição, o time enfrentará o São Paulo, neste domingo, às 18h30m (de Brasília), novamente no Independência.
Pressão mexicana
O Tijuana voltou alterado para o segundo tempo. O técnico Antonio Mohamed tirou um volante e colocou Fidel Martínez em campo, na intenção de dar mais força ao ataque mexicano. Porém, não funcionou muito. O Atlético-MG, diferentemente da primeira etapa, esteve um pouco melhor postado e, embora sem ter a melhor das atuações, deu menos espaços ao adversário.
Bernard, mais uma vez, não atuou bem. Tanto que Cuca colocou Luan em campo. Mas quem chegou com perigo foi o Tijuana, aos 24 minutos. Réver e Richarlyson trombaram, a bola sobrou para Martínez. O equatoriano tocou para trás, e Piceno ficou cara a cara com Victor, que teve de fazer um verdadeiro milagre para evitar o segundo gol dos mexicanos. Arce, em cobrança de falta, ainda acertou o travessão.
No último lance da partida, Leonardo Silva cometeu pênalti em Aguillar. Riascos foi para a cobrança e, se marcasse, garantira a classificação ao Tijuana. Victor, com os pés, mostrou que é um dos melhores do Brasil. O goleiro defendeu, para delírio da torcida do Galo, e garantiu a vaga na Libertadores. Por reclamação, Réver foi expulso após o fim da partida.

Neymar se despede no vestiário do Santos: “eu vou, mas eu volto”

Neymar deixou mensagem na parede do vestiário do Santos

É chegado o momento do adeus. Na manhã deste sábado, Neymar começou a se despedir de funcionários, jogadores e do Centro de Treinamento Rei Pelé, local que frequentou quase todos os dias nos últimos cinco anos. Ainda sem declarar se irá para o Barcelona ou Real Madrid, o jogador escreveu na parede do vestiário do CT: “Eu vou, mas… eu volto!”. O recado foi registrado em foto e veiculado na conta do filho do goleiro Aranha no Instagram. Antes disso, o astro participou de treino do Peixe e deu muitas risadas. Com uma câmera acoplada ao rosto, ele filmou a atividade, que deve ter sido a última antes da transferência para a Espanha. O Barça deve ser seu destino. Neymar está relacionado e enfrentará o Flamengo, neste domingo, no Estádio Mané Garrincha, pelo Campeonato Brasileiro. Provavelmente este será o último jogo oficial dele pelo Santos. Antes disso ele estará no casamento de Paulo Henrique Ganso, na tarde deste sábado, em Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo.