Incêndio destrói galpão de reciclagem em Ipirá

Um incêndio destruiu um galpão de reciclagem na noite de quinta-feira (07) em Ipirá.
Segundo informações, o galpão tinha aproximadamente 300 m² e fardos de papelão, uma F 4000 carregada de recicláveis, tambores e garrafas pets utilizados nos trabalhos de reciclagem de material foram completamente queimados pelas chamas.
De acordo com um dos proprietários do Recicla Sertão, em Ipirá, empresa atingida pelo o incêndio, o fogo começou por volta das 22h:00.
Após algumas horas de trabalho, o fogo foi contido pelos moradores. O Corpo de Bombeiros de Feira de Santana foi acionado pela polícia militar, que só chegou por volta das 00:23h. No entanto, ainda não há informações sobre o tamanho do prejuízo no local.

Também não se sabe o que provocou o início das chamas. Ninguém ficou ferido e nenhuma residência vizinha ao galpão foi atingida.

Miguel Calmon-BA: Incêndio na Lagoa do Braço Mindinho causa transtornos para moradores


Por volta das 13h desta segunda-feira, 4 de janeiro de 2016, um incêndio na Lagoa Braço Mindinho causava transtornos para moradores de Miguel Calmon, devido a uma grande nuvem de fumaça que invadia às residências. Segundo um internauta, as pessoas que vivem no Abrigo dos,Velhos também foram afetadas com a fumaça, sendo retirados para outro local. Por volta das 13:40h começou a chover na cidade, mas, não o suficiente e às chamas continuam devastando uma vegetação conhecida como tabua, causando morte em espécies aquáticas que vivem na lagoa. (Augusto Urgente)

Em Feira de Santana incêndio destrói supermercado GBarbosa

Um incêndio de grandes proporções atingiu o supermercado G Barbosa localizado no bairro Cidade Nova, em Feira de Santana. De acordo com o Coronel Antunes, do Corpo de Bombeiros, as chamas iniciaram por volta das 2h desta segunda-feira (28) e cerca de 20 bombeiros trabalham no local para fazer o rescaldo, uma vez que as chamas já foram controladas pelas equipes.

Segundo ele, no local havia muito material inflamável o que facilitou a propagação das chamas. “Fomos acionados por volta das 3h e imediatamente nos deslocamos para o local. Ainda há bastante fumaça e estamos informando ao proprietário o que está ocorrendo no interior do imóvel. Trata-se de um trabalho cansativo e neste momento estamos chamando algumas equipes para substituir as que estão aqui”, disse o coronel ao Acorda Cidade.

O fogo não atingiu a parte do supermercado localizada na Avenida Eduardo Fróes da Mota (Anel de Contorno), mas toda a parte localizada na Rua Carlos Alberto, no bairro Cidade Nova, parte lateral do imóvel, e os fundos, na Rua Franco Manoel da Rocha. As seções onde ficam as mercadorias expostas nas prateleiras foram atingidas, principalmente a parte da padaria e eletrodomésticos.

“A parte das prateleiras foi queimada. Há muito material de autocombustão, muito papel, álcool e acetona. Houve pequenas explosões por causa dos recipientes com líquidos inflamáveis e as equipes estão realizando o rescaldo. É uma área aberta, sem andares, e isso facilita o trabalho do Corpo de Bombeiros”, informou o coronel Antunes. De acordo com informações obtidas no local, até por volta das 22h havia funcionários no local realizando o balanço. Inaugurado em 2007, o prédio atingido emprega cerca de 100 funcionários.

Troca de luminária teria causado fogo no Museu da Língua Portuguesa

O incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa na segunda-feira (21) pode ter sido causado por um curto-circuito iniciado na troca de uma luminária. A informação foi dada por um funcionário do museu a equipes da Defesa Civil, segundo o coordenador do órgão, Milton Persoli. Segundo o relato, a troca foi no segundo andar do museu, mesmo local onde o fogo começou. A possível causa será investigada juntamente com outras pela Polícia Técnico-Científica, que fará uma perícia no local. Durante a madrugada, técnico do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) já realizaram uma primeira investigação no local. O trabalho de investigação só deverá avançar, porém, com o final do trabalho de rescaldo pelo Corpo de Bombeiros, que ainda continuava na manhã desta terça. Pequenos focos ainda apareciam no interior da edificação. Milton Persoli disse que “uma simples troca de luminária, sem uma prevenção adequada, pode desencadear um processo como esse”, afirma. Todo o prédio foi afetado pelo fogo e pela fumaça e vai ter que ser reconstruído, de acordo com o Corpo de Bombeiros. Após o incêndio ter sido controlado, ainda havia risco de queda de parte do telhado. “Foi uma área bem grande, afetou todos os pavimentos. Praticamente toda a área do museu”, afirmou o comandante do Corpo de Bombeiros, Rogério Bernardes Duarte. Por isso, trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) não circulam pela Estação na manhã desta terça. Veja as alternativas. O bombeiro civil Ronaldo Pereira, que trabalhava no museu, morreu durante o incêndio. Incêndio – O fogo começou no primeiro andar por volta de 16h, e rapidamente alcançou os dois andares superiores e o telhado do edifício construído em 1901, que abriga o museu desde a sua inauguração, em 2006. Mais de 60 viaturas e 120 bombeiros foram ao local tentar controlar o fogo. Eles impediram que o telhado levasse as chamas até a Estação da Luz. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que o Museu da Língua Portuguesa “será reconstruído”. “Esse, que era um dos mais visitados museus, traduz a alma do povo brasileiro, e será reconstruído. Vamos imediatamente tomar todas as providências, unir a iniciativa privada e nossos parceiros para a sua reconstrução”, disse o governador. (G1)

Chapada Diamantina: Brigadista é preso acusado de provocar incêndio

Eduardo Góes, militar do Corpo de Bombeiros denunciou, em sua rede social, a possível prisão de um brigadista, acusado de incendiar a mata na região da Chapada Diamantina, na última segunda-feira (23). Eduardo Goés, que faz parte da brigada de Feira de Santana, informou em sua conta no Facebook, que o empresário José Orestes Macedo Moura, 53 anos, conhecido como Terra, dono da agência de viagem Terra Chapada, teria sido preso por bombeiros de Brasília que estavam ajudando no combate. De acordo com Góes, Terra foi preso na localidade do Barro Branco, em Lençóis.

“Um infeliz desse estava como voluntário no combate ao incêndio. O mundo está virado de cabeça para baixo mesmo”, postou Góes em sua página. Procurado pela reportagem, Goés não quis dar declaração, limitando-se a dizer que “as informações que estavam em seu Facebook são as que ele pode passar”. Contactada pela reportagem, a delegacia de Lençóis informou não existir registro de nenhuma ocorrência deste tipo. O bahia.ba tentou entrar em contato com o empresário Terra, procurado em sua empresa, mas até a publicação desta matéria, não obteve sucesso. Em 2014, Terra foi candidato a deputado estadual pelo PCdoB, mas não conseguiu ser eleito, tendo obtido apenas 626 votos.

Indignado, Eduardo Góes apontou que existia uma suspeita de incêndio criminoso em algumas partes da Chapada. “Nós, bombeiros militares, sempre desconfiamos que parte desses incêndios eram causados por alguns brigadistas que atuam como voluntários nesse combate”, disse. (Bahia BA).

Rio de Contas-BA: Brigadistas lutam para apagar incêndio próximo a comunidade de Bananal

Grandes incêndios florestais também atingem propriedades no extremo Sul da Chapada Diamantina-Bahia. Nesta segunda-feira, dia 23 de novembro, a brigada de incêndio da prefeitura municipal de Rio de Contas, sob a coordenação do Secretário de Meio ambiente Vinicius Abreu, esteve o dia todo combatendo um incêndio nas proximidades da comunidade Bananal, no município de Rio de Contas. Apesar do difícil acesso, a equipe está conseguindo debelar as chamas, evitando sérios prejuízos à fauna e flora na região, os brigadistas acreditam que amanhã o fogo deverá ser totalmente controlado. Vale ressaltar que a Chapada Diamantina vem sofrendo vários focos devido à baixa umidade e o calor atinge a região. As áreas mais atingidas ficam no município de Palmeiras, próximas a região do Morro do Pai Inácio, famoso ponto turístico da Chapada. (L12 Notícias)

Em vídeo, brigadista voluntário fala sobre situação do incêndio no município de Bonito-BA

Circula nas redes sociais, um vídeo divulgado por um brigadista voluntário relatando sobre a situação do incêndio próximo ao Distrito de Catuaba no município de Bonito, Chapada Diamantina. No vídeo, o brigadista pede ajuda as autoridades e chama a atenção para a gravidade do caso. Segundo ele, o fogo está incontrolável e está avançando em direção aos municípios de Morro do Chapéu e Cafarnaum. No relato, ele cita o fato ocorrido na tarde de ontem, quinta-feira 19, quando uma máquina retro escavadeira da prefeitura que ajudava na contenção do incêndio apresentou problemas e acabou sendo atingida pelas chamas vindo a explodir, por sorte ninguém ficou ferido. (Blog do Léo Barbosa)

Mais um incêndio no município de Bonito; Dessa vez próximo ao Distrito de Catuaba

Mais um incêndio de grande proporção está acontecendo no município de Bonito, desta vez próximo ao Distrito de Catuaba, na saída para Cafarnaum.

Márcio secretário de Agricultura e Meio Ambiente do município, informou que o fogo avança em direção ao Parque Eólico.

Nesta quinta (19), uma equipe coordenada pelo secretário formada por funcionários públicos cedidos pela prefeitura irá ao local com uma maquina retro escavadeira e carros-pipas para tentar fazer um aceiro e evitar a ampliação da devastação. (Blog do Fábio Borges)

Rui se reúne com representantes de brigadistas e diz que momento é de crise; confira vídeo

O governador Rui Costa (PT) publicou em sua página do Facebook parte de sua agenda da manhã desta terça-feira (17), em Lençóis, na Chapada Diamantina, onde esteve acompanhando de perto os trabalhos de combate ao incêndio que reúnem uma força-tarefa formada pelo Corpo de Bombeiros, Exército Brasileiro e brigadistas voluntários. Rui recebeu, após sobrevoar as áreas atingidas pelo fogo, as mulheres que representavam a Brigada de Resgate Ambiental de Lençóis (Bral). O vídeo da reunião de Rui com as mulheres dos brigadistas que atuam na região – são seis brigadas em ação – foi postado na rede social pelo governador.

Rui afirmou que o momento é de crise, por isso a prioridade é somar esforços para conter o fogo. Ele determinou, durante o encontro, que o comando da ação inclua um representante de cada brigada na reunião diária de avaliação e planejamento, para dialogar, traçar estratégias únicas e garantir uma ação articulada entre todos para extinguir o fogo. Essa era uma das reivindicações dos brigadistas. “É necessário que essa intervenção seja articulada conjuntamente para o resultado ser melhor, mais rápido e mais eficiente”, recomendou.

O governador se comprometeu, ainda, durante a reunião, que logo depois que o incêndio na Chapada for controlado, dará início à construção de um plano de prevenção e de combate ao incêndio na Chapada Diamantina. É importante, segundo Rui, que representantes de todos os segmentos da população da região – prefeitos, guias turísticos, empresários e brigadistas, dentre outros – participem da construção desse plano. (Jornal da Chapada)

Veja o vídeo:

Incêndio já consumiu mais de 3 mil hectares da Chapada, diz Brigada

Foto: Jornal da Chapada
Os incêndios no Parque Nacional da Chapada Diamantina já queimaram uma área de mais de três mil hectares. O levantamento foi feito pela Brigada de Resgate Ambiental de Lençóis (Bral), a partir de imagens de satélite. Os incêndios tiveram início há 15 dias.

De acordo com informações do jornal da Chapada, a situação continua se agravando. Diante da situação definida como dramática, o órgão cobrou dos poderes públicos medidas preventivas para evitar os incêndios, que nos últimos anos tornam-se cada vez mais frequentes na região. “Atualmente, observamos incêndios anuais, bienais ou trienais em áreas onde ocorria a queimada natural a cada 30, 40 ou 100 anos”, afirmou o representante da Bral, o engenheiro florestal Diego Serrano.

Para o especialista, o fogo natural, que ocorre no período das chuvas decorrente dos raios, é um fator, no entanto, o que vem ocorrendo na região é um aumento na frequência e na recorrência desses eventos, devido a causas não naturais ou ao fogo causado por pessoas. “E esse aumento tem se mostrado muito superior à capacidade de recuperação dos ecossistemas afetados”, alertou.

A Brigada defende três pontos fundamentais que precisam ser discutidos para evitar novos danos ao meio ambiente: “investigar e reprimir as causas; investir em monitoramento e dar apoio efetivo para as brigadas. É necessário chamar a atenção para os problemas estruturais que envolvem a questão”, defende.