Pessoas se encantam com peixes no Rio do Ouro, em Jacobina

Pouco mais das 12h, início da tarde desta terça, 12, algumas pessoas olhavam em direção as águas do Rio do Ouro, no cais próximo ao mercado velho. Deslumbrados os transeuntes apontavam pra um pequeno cardume de peixes, algumas traíras de aproximadamente 30 centímetros.
A cena era realmente linda, e espera-se que com a conclusão da rede de esgotamento sanitário o Rio do Ouro volte a respirar, e quem sabe um dia nossos filhos e netos possam pesca-los. O empresário Zé Popô Lanches recordou-se de quando se podia pescar no local, e tinha peixes em abundância.
Fonte: Augusto Urgente

Salvador: Homem que estuprou e enterrou ex-mulher diz que cometeu crime por raiva

O homem acusado de estuprar e enterrar viva a ex-mulher em Jacobina, afirmou que cometeu o crime por raiva, pois a vítima o traiu.

Leandro Severo da Silva, 37 anos, chegou a rir quando foi questionado sobre o motivo do crime. O acusado alegou que não se lembrava de nada, pois estava alcoolizado.

Durante os nove meses que ficaram juntos, a mulher foi violentada mais duas vezes.
Ele afirmou ainda que, quem comete um crime tão violento como esse merece morrer com a cabeça cortada. Fonte: R7

Mulher é estuprada, espancada e enterrada viva em Jacobina

O caso foi registrado nesta segunda-feira no povoado de Roçado de Caatinga do Moura, zona rural de Jacobina. A vítima foi a senhora Ione da Silva Araujo, de 32 anos de idade. Ela conta que ontem, 21/10, por volta das seis e trinta da manhã, foi ao quintal de sua casa em busca de água na cisterna, quando foi abordado por seu ex-companheiro, identificado como Leandro Severo da Silva, de 37 anos. Armado com uma faca tipo peixeira, Leandro a levou até um matagal próximo, onde a espancou e estuprou .

Não satisfeito, o acusado, após a violência sexual, introduziu três pedaços de madeira na vagina da ex mulher e em seguida amarrou seus pés e suas mãos, a amordaçou e a enterrou viva em uma valeta aberta pelas águas das chuvas. ” Fiquei desesperada sem poder respirar, mas quando percebi que ele foi embora comecei a me revirar no buraco até que a terra foi passando para debaixo do meu corpo, e consegui me desenterrar,” disse dona Ione. (Bahia Acontece)