Utinga: Posto de gasolina é assaltado em plena luz do dia no centro da cidade

Foto:Moisés França/Visão Baiana

A segurança pública em nossa cidade clama por melhorias urgente, comerciantes sofrem as consequências da insegurança dos seus comércios, nem durante o dia e em lugares aparentemente seguros com grande fluxo de pessoas estão livres da ação dos bandidos. Mais uma vez a rede de Postos de Combustíveis Grassi foi vítima de assalto em Utinga. A rede de combustíveis possuem dois postos na cidade, um localizado próximo a BA que liga a cidade a Bonito, Posto Grassi I, e outro bem no centro da cidade, o Posto Grassi III, na praça Antônio Muniz. Nos últimos 25 dias, foram dois assaltos e uma tentativa de assalto sem sucesso ( um assalto e uma tentativa no Posto Grassi I, e um assalto no Posto Grass III), a forma como aconteceram as ações é que deixa a população apavorada, sempre a luz do dia e portando arma de fogo. Nesta quinta-feira, as 14:00 h, enquanto fazia o seu plantão normalmente, um funcionário do posto Grassi III, foi abordado por dois assaltantes em uma moto, a ação foi parecida com as anteriores, um dos assaltantes um dos bandidos ainda disparou dois tiros no momento em que está fugindo, levando uma quantia não divulgada pela empresa, detalhe, o posto fica apenas 400 metros da delegacia de polícia. Mesmo com a base da Caesa implantada na cidade, a criminalidade no município continua deixando a população amedrontada, nos últimos meses residências e comércios foram vítimas de ações que resultaram em prejuízos financeiros, além de roubo de carros, motos e até mesmo bicicletas. (Visão Baiana)

Irecê: Três pessoas são baleadas em feira livre da cidade

Foto: Irecê Repórter

Três pessoas ficaram feridas após uma troca de tiros, nesta terça-feira (23), na área do Centro de Abastecimento de Irecê, no nordeste baiano, local onde está instalada a feira livre da cidade. De acordo com informações do site Irecê Repórter, Leonardo Roberto Silva, de 18 anos, foi baleado na altura do tórax; Lucas Jorge da Silva, 20, foi alvejado com um tiro nas nádegas; e Edivaldo da Silva Pereira, 59, foi atingido no peito. As vítimas foram hospitalizadas e não correm risco de morrer. Os tiros teriam sido disparados por um homem identificado como Paulo Rodrigues Souza Moreira, que trabalha como guarda particular na feira. A polícia investiga a motivação do crime.(Irecê Repórter) 

Justiça do AC libera parte do dinheiro para Telexfree sanar dívidas

A juíza Thaís Borges, da 2ª Vara da Comarca de Rio Branco, autorizou nesta sexta-feira (18) a liberação de parte do dinheiro da empresa Telexfree, para que sejam pagas parcelas da construção de um hotel no Rio de Janeiro de posse da empresa. A quantia liberada não foi revelada. De acordo com a magistrada, a decisão não interfere no processo que suspendeu as atividades da Telexfree em todo o país, iniciado a partir da investigação feita pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) de suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira. “Como a empresa teve todos os valores declarados indisponíveis e colocados à disposição de juízo, então, qualquer despesa que eles tenham que realizar, é necessário pedir autorização para a liberação. Eles solicitaram para honrar o compromisso que já tinham firmado, no contrato de aquisição do hotel, mas isso não muda em nada o processo”, afirma a juíza. (G1)

Telexfree e promotoria tentam um acordo

Nas próximas semanas, promotores e representantes da Telexfree terão a oportunidade de fechar um acordo para pôr fim à ação em que o Ministério Público do Acre (MP-AC) acusa a empresa de ser uma pirâmide financeira. Mas as chances de uma conciliação são poucas, o que deve prolongar a disputa, iniciada há 142 dias. Nessa terça-feira (15), a ação civil pública movida pelo MP-AC contra a Telexfree foi devolvida pelos promotores à Justiça, o que permite o agendamento da audiência de conciliação, prevista para ocorrer “o quanto antes”, segundo a juíza Thaís Khalil, titular da 2ª Vara Cível de Rio Branco e responsável pelo caso. “Já foi determinado o agendamento de uma audiência de conciliação [ assim que o processo voltasse à Justiça ]. É uma tentativa de aventar uma possibilidade de acordo”, afirma Thaís.”Eu vou agendar o quanto antes.” A chance de sucesso, entretanto, é pequena. Segundo a promotora Alessandra Marques, uma das autoras da ação contra a Telexfree, o MP-AC só aceitará um acordo se ele previr aquilo que o órgão pede na ação civil pública: a extinção da empresa e o ressarcimento dos associados, chamados de divulgadores.