Demóstenes Torres tem seu mandato cassado no Senado

O senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) teve seu mandato cassado em votação no plenário do Senado, nesta quarta-feira, por 56 votos a favor, 19 contra e cinco abstenções. Demóstenes é acusado de envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira, a quem teria favorecido usando sua influência como parlamentar.
Demóstenes ocupou a bancada do Senado onde se defendeu por cerca de 30 minutos. Em seu discurso, destacou que as provas contra ele eram ilegais, que estaria sendo vítima de um pré-julgamento e pediu que tivesse um tratamento “igual ao que os demais senadores têm”.
Durante seu discurso, o ex-senador chegou a lembrar o caso da Máfia dos Vampiros, no qual o então ministro da Saúde, Humberto Costa – hoje relator do processo contra Demóstenes Torres – fora acusado de envolvimento com organização criminosa que superfaturava medicamentos, entre os anos de 2006 e 2010. Humberto Costa acabou inocentado das acusações.
“Quero o mesmo tratamento. Ele provou que era honrado, que era decente. Eu quero esse direito. Por que minha cabeça tem que rolar? Provei que sou inocente, quero o direito que toda a pessoa tem, o direito da defesa.” 
Demóstenes prosseguiu com sua defesa destacando sua trajetória como senador. “Eu não menti aqui, jamais menti aqui, tenho a conduta parlamentar impecável.” O ex-senador, em seu discurso, fez referência até a Jesus Cristo mais de uma vez: “Pilatos lavou suas mãos quando condenaram Jesus. Peço que não lavem as suas com relação a mim”. Em outro momento, afirmou: “Há um ditado que diz: ‘Diga-me com quem anda que te direi quem és’. Jesus andava com Judas. Portanto, este ditado é mentira”, numa referência a sua relação com Carlinhos Cachoeira.
O ex-senador insistiu que estava sendo vítima de um pré-julgamento e de notícias falsas publicadas pela mídia. “A imprensa do Brasil me deve desculpas. Fui moído, triturado, achacado na minha dignidade”, afirmou, reforçando que hoje seu patrimônio é “ridículo”. 
“Me deem a oportunidade de provar que sou inocente. Quero ter o direito que outros tiveram”, encerrou.

Fonte: Jornal do Brasil