PP começa a punir dissidentes; situação da Bahia é ‘delicada’

A direção nacional do PP já começou a punir os parlamentares que contrariaram a decisão oficial pró-impeachment da sigla e votaram a favor do governo na votação deste domingo (17), na Câmara dos Deputados. Após se abster de votar, ajudando indiretamente o governo Dilma Rousseff, o deputado federal Beto Salame foi destituído no próprio domingo do comando do PP no Pará pela direção nacional do partido. Segundo o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), Salame já tinha sido avisado que, se contrariasse o fechamento de questão da sigla a favor do impeachment, seria destituído do comando estadual da legenda. Recém filiado ao PP após deixar o PROS, o deputado tinha assumido o comando da sigla Pará no início de março. O substituto dele na presidência regional do partido ainda não foi divulgado. Na votação de domingo, dos 45 deputados do PP, 38 votaram a favor do impeachment, 4 contra e 3 se abstiveram. Até então, a expectativa do governo era de ter mais de 10 votos favoráveis a Dilma na legenda. Dos votos favoráveis ao governo, quatro foram dados por deputados da Bahia. Dois votaram contra (Roberto Britto e Ronaldo Carletto) e dois se abstiveram (Cacá Leão e Mário Negromonte Júnior). Eles votaram a favor do governo, alegando ter uma aliança regional com o governador da Bahia, Rui Costa, do PT. O vice-governador baiano, João Leão, é presidente estadual do PP. A ala pró-impeachment do PP já pediu “providências” à direção do partido em relação aos baianos. No entanto, pela questão regional e por o partido ter a vice-governadoria do Estado, o caso é considerado delicado por Ciro Nogueira. A bancada pede ainda a expulsão do partido do deputado Macedo (CE), que também votou contra o impeachment. O parlamentar teve um aliado seu indicado recentemente para o Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS).